Gestación de mujeres detenidas por tráfico de drogas

Autores/as

  • Amanda Batista da Silva Universidade do Estado de Mato Grosso
  • Vagner Ferreira do Nascimento Universidade do Estado de Mato Grosso
  • Thalise Yuri Hatorri Universidade do Estado de Mato Grosso
  • Marina Atanaka Universidade Federal de Mato Grosso
  • Ana Cláudia Pereira Terças-Trettel Universidade Federal de Mato Grosso

DOI:

https://doi.org/10.33517/rue2023v18n2a7

Palabras clave:

salud de la mujer, embarazo, prisiones, tráfico de drogas, trastornos relacionados con el uso de sustancias

Resumen

Objetivo: Describir la experiencia del embarazo en el ámbito carcelario de mujeres involucradas en el tráfico de drogas.
Método: Estudio descriptivo-exploratorio con enfoque cualitativo, realizado en una cárcel pública de Mato Grosso. Los sujetos de investigación fueron mujeres en prisión, provisional o condenadas, que se encontraban en gestación en curso de 12 a 36 semanas. La recolección de datos tuvo lugar en 2019, mediante entrevistas semiestructuradas grabadas en audio, con posterior análisis de contenido.
Resultados: Todas las mujeres fueron detenidas por tráfico de drogas y consumieron sustancias psicoactivas antes de su encarcelamiento por ruptura de lazos familiares y/o influencia de parejas afectivas. El embarazo actual no fue planeado, y estuvo acompañado de la separación de los otros niños, además de la ansiedad y angustia que los envuelve con la expectativa del parto y la lactancia en el ambiente carcelario, seguido de la separación del niño que nacerá luego de la lactancia. Esto les hizo expresar su deseo de buscar cambios y mejorar sus vidas en el futuro.
Conclusión: Es necesario incorporar prácticas de atención humanizada en el cuidado de las mujeres que experimentan la maternidad en situación de prisión, que puedan ayudar a llevar a cabo la resocialización, además de contribuir al fortalecimiento familiar.

Biografía del autor/a

Amanda Batista da Silva, Universidade do Estado de Mato Grosso

Aluna de Iniciação científica, Universidade do Estado de Mato Grosso, campus de Tangará da Serra, Mato Grosso, Brasil.

Vagner Ferreira do Nascimento, Universidade do Estado de Mato Grosso

Doutor em Bioética, Universidade do Estado de Mato Grosso, campus de Tangará da Serra, Mato Grosso, Brasil.

Thalise Yuri Hatorri, Universidade do Estado de Mato Grosso

Mestre em Ciências, Universidade do Estado de Mato Grosso, campus de Tangará da Serra, Mato Grosso, Brasil.

Marina Atanaka, Universidade Federal de Mato Grosso

Doutora em Saúde Pública, Programa de pós-graduação em Saúde Coletiva, Universidade Federal de Mato Grosso, campus de Cuiabá, Mato Grosso, Brasil.

Ana Cláudia Pereira Terças-Trettel, Universidade Federal de Mato Grosso

Doutora em Medicina Tropical, Universidade do Estado de Mato Grosso, campus de Tangará da Serra, Mato Grosso, Brasil e Programa de pós-graduação em Saúde Coletiva, Universidade Federal de Mato Grosso, campus de Cuiabá, Mato Grosso, Brasil.

Citas

Thomaz GC, Oliveira JF, Bispo TCF. Vulnerabilidades no envolvimento feminino com drogas: um estudo com mulheres em situação de prisão. Revista Enfermagem Contemporânea [internet], 2016 [acesso 01 de maio de 2019]; 5 (2): 228-241. Disponível em: https://www5.bahiana.edu.br/index.php/enfermagem/article/view/1042/728.

Germano IMP, Monteiro RAFG, Liberato MTC. Criminologia Crítica, Feminismo e Interseccionalidade na abordagem do aumento do encarceramento feminino. Psicologia: Ciência e Profissão [internet], 2018 [acesso em 27 de maio de 2019]; 38 (2): 27-43. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pcp/v38nspe2/1982-3703-pcp-38-spe2-0027.pdf

Senra DS. O direito a maternidade no cárcere: uma breve reflexão sobre a realidade das mulheres encarceradas no Brasil. Revista Ciências Jurídicas e Sociais Aplicadas [internet], 2020 [acesso em 18 de abril de 2020]; 3 (1): 1-20. Disponível em: https://unig.edu.br/revistas/index.php/RevJurSoc/article/view/224/107

Andrade ABCA, Gonçalves MJF. Maternidade em regime prisional: desfechos maternos e neonatais. Rev. Enferm. UFPE [internet], 2018 [acesso em 27 de maio de 2019]; 12 (6): 1763-71. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/234396/29227

Barbosa AG, Duarte ABS. Práticas informacionais de presas grávidas. Rev. Bras. De Biblioteconomia e Documentação [internet], 2018 [acesso em 01 de maio de 2019]; 14(3): 50-67. Disponível em: https://rbbd.febab.org.br/rbbd/article/view/1051.

Carneiro ZS, Veríssimo MLÓR. Gestação e desenvolvimento de bebês em situação de cárcere. Rev. Extensão em Ação [internet], 2016 [acesso em 01 de maio de 2019]; 2(11): 39-49. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/extensaoemacao/article/view/11829/9899.

Bardin, L. Análise de Conteúdo. São Paulo (BR): Edições 70, 2011.

Sarmiento YES, Gonçalves NN, Vaz C, Neiva GD, Rodrigues GC, Oliveira JS, Aguiar CA. Dependência química e gênero: um olhar sobre as mulheres. Caderno Espaço Feminino [internet], 2018 [acesso em 14 de janeiro de 2020]; 31(2): 149-160. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/neguem/article/view/47366.

Nascimento VF, Corrêa IK, Terças ACP, Lemes AG, Luis MAV. Percepções de mulheres que utilizaram substâncias psicoativas durante a gestação quanto ao atendimento do profissional. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde [internet], 2017 [acesso em 28 de abril de 2019]; 38(2): 193-204. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/seminabio/article/view/30176.

Marcello FC, Silveira ACR, Lopes DT, Torquato NR, Carneiro LFP. Saúde da mulher encarcerada. E-Scientia - Revista Científica de Saúde do Centro Universitário de Belo Horizonte [internet], 2019 [acesso em 09 de dezembro de 2019]; 12(1): 24-27. Disponível em: www.unibh.br/revistas/escientia/.

Barcinski M, Cunico SD. Mulheres no tráfico de drogas: retratos da vitimização e do protagonismo feminino. Civitas. Rev. Ciênc. Soc. [internet], 2016 [acesso em 15 dezembro de 2019]; 16(1): 59-70. Disponível em: http://dx.doi.org/10.15448/1984-7289.2016.1.22590.

Davim BKG, Lima CS. Criminalidade feminina: desestabilidade familiar e as várias faces do abandono. Revista Transgressões: ciências criminais em debate [internet], 2016 [acesso em 14 de fevereiro de 2020]; 4(2): 138-157. Disponível em: https://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=2&cad=rja&uact=8&ved=2ahUKEwiC2_Czt9fnAhUWFLkGHbr0A0oQFjABegQIBhAB&url=https%3A%2F%2Fperiodicos.ufrn.br%2Ftransgressoes%2Farticle%2Fdownload%2F11791%2F8269%2F&usg=AOvVaw15DTh0iU8j-GdqAIqg5yq5.

Souza MRR, Oliveira JF, Chagas MCG, Carvalho ESS. Gênero, violência e viver na rua: vivências de mulheres que fazem uso problemático de drogas. Rev. Gaúcha Enferm. [internet], 2016 [acesso em 28 de outubro de 2019]; 37(3): 1-9. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rgenf/v37n3/0102-6933-rgenf-1983-144720160359876.pdf.

Silva FSC, Costa RAS, Benevenuto SB. As flores de ferro: empoderamento feminino pelo tráfico de drogas. Rev. EDUC – Faculdade de Duque de Caxias [internet], 2018 [acesso em 01 de maio de 2019]; 5(1): 17-33. Disponível em: http://uniesp.edu.br/sites/_biblioteca/revistas/20190218160632.pdf.

Leal MC, Ayres BVS, Pereira APE, Sánchez AR, Larouzé B. Nascer na prisão: gestação e parto atrás das grades no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva [internet], 2016 [acesso em 29 de setembro de 2019]; 21(7): 2061-2070. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-81232015217.02592016

Bispo TCF, Oliveira CAD, Neto EAF, Carvalho ER, Lino NN, Santos SM. Saúde sexual e reprodutiva no contexto da prisão: vivências de presidiárias de Salvador – Ba. Revista Enfermagem Contemporânea [internet], 2016 [acesso em 12 de dezembro de 2019]; 4(2): 109-120. Disponível em: http://dx.doi.org/10.17267/2317-3378rec.v4i2.747.

Fochi MCS, Higa R, Camisão AR, Turato ER, Lopes MHBM. Vivências de gestantes em situação de prisão. Rev. Eletr. Enf. [Internet], 2017 [acesso em 29 de outubro de 2019]; 19: 1-10. Disponível em: http://doi.org/10.5216/ree.v19.46647.

Silva JMB, Nunes MA. Planejamento familiar: uma base de dados. Rev. Fund. Care [online], 2017 [acesso em 09 de janeiro de 2020]; 9(2): 510-519. Disponível em: https://docs.google.com/viewerng/viewer?url=http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/viewFile/5454/pdf_1.

Costa ES, Santos JDM, Rocha MRC, Viana LMM, Oliveira DM, Silva BJC, Lira APS. Mulheres encarceradas: perfil, sexualidade e conhecimento sobre infecções sexualmente transmissíveis. Revista UNINGÁ [internet], 2017 [acesso em 28 de outubro de 2019]; 52(1): 23-28. Disponível em: https://www.mastereditora.com.br/periodico/20170504_223633.pdf.

Alves LC, Wendramin C. A assistência gestacional no sistema carcerário brasileiro: a necessidade de revisão desses estabelecimentos para o atendimento ás mulheres encarceradas. Anuário Pesquisa E Extensão Unoesc São Miguel do Oeste. Santa Catarina [online], 2019.

Matão MEL, Miranda DB, Malaquias A, Souza EL. Maternidade atrás das grades: particularidades do binômio mãe e filho. Rev. Enferm. Centro-Oeste Min [online], 2016 [acesso em 22 de dezembro de 2019]; 6(2): 2235-2246. Disponível em: http://www.seer.ufsj.edu.br/index.php/recom/article/view/984/1113.

Soares IR, Cenci CMB, Oliveira LRF. Mães no cárcere: percepção de vínculo com os filhos. Estud. Pesqui. Psicol. [online], 2016 [acesso em 22 de dezembro de 2019]; 16(1): 27-45. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/epp/v16n1/v16n1a03.pdf.

Amaral MF, Bispo TCF. Mães e filhos atrás das grades: um olhar sobre o drama do cuidar de filhos na prisão. Revista Enfermagem Contemporânea [internet], 2016 [acesso em 22 de dezembro de 2019]; 5(1): 51-58. Disponível em: https://www5.bahiana.edu.br/index.php/enfermagem/article/view/836.

Ventura M, Simas L, Larouzé B. Maternidade atrás das grades: em busca da cidadania e da saúde: um estudo sobre a legislação brasileira. Cad. Saúde Pública [online], 2015 [acesso em 22 de dezembro de 2019]; 31(3): 607-19. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v31n3/0102-311X-csp-31-03-00607.pdf.

Matos KKC, Silva SPC, Nascimento EA. Filhos do cárcere: representações sociais de mulheres sobre parir na prisão. Interface [online], 2019 [acesso em 30 de outubro de 2019]; 23: 1-12. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832019000100252.

Maia JÁ, Rodrigues AL, Souza DR, Figueiredo MB. Uso de drogas por mulheres durante o período gestacional. Rev. Enferm. Contemp. [online], 2019 [acesso em 27 de maio de 2019]; 8(1): 25-32. Disponível em: https://www5.bahiana.edu.br/index.php/enfermagem/article/view/1744.

Kennedy SM, Davis SP, Thorne SL. Smokeless policies in US prisons and jails: a literature review: nicotine and tobacco research. Society for Research on Nicotine and Tobacco [online], 2015 [acesso em 10 de janeiro de 2020]; 17(6): 629-635. Disponível em: https://doi.org/10.1093/ntr/ntu225.

Marchi CR, Filho LG, Dellecave MR. O processo de reinserção do egresso do sistema prisional no mercado de trabalho. Revista Psicologia, Diversidade e Saúde [online], 2018 [acesso em 22 de dezembro de 2019]; 7(2): 277-287. Disponível em: 10.17267/2317-3394rpds.v7i2.1801.

Fritz S, Whiteacre K. Prison nurseries: Experiences of incarcerated women during pregnancy. Journal of Offender Rehabilitation [online], 2016 [acesso em 22 de dezembro de 2019]; 55(1):1-20. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/10509674.2015.1107001?journalCode=wjor20

França AMB, Silva JM. O. A mulher em situação de prisão e a vivência da maternidade. Rev Enferm UFPE on line[online], 2016 [acesso em 22 de dezembro de 2019]; 10(5): 1891-1894, 2016. Disponível em: DOI: 10.5205/reuol.9003-78704-1-SM.1005201640

Publicado

2023-09-03

Cómo citar

1.
da Silva AB, do Nascimento VF, Hatorri TY, Atanaka M, Terças-Trettel ACP. Gestación de mujeres detenidas por tráfico de drogas. RUE [Internet]. 3 de septiembre de 2023 [citado 27 de febrero de 2024];18(2):e2023v18n2a7. Disponible en: http://rue.fenf.edu.uy/index.php/rue/article/view/405

Número

Sección

Investigación