Caracterización del perfil de las mujeres rurales según los factores sociodemográficos, laborales y epidemiológicos

Autores/as

  • Bruno Neves da Silva
  • Vitoria Keller Gregório de Araújo
  • Ana Carolina Souza da Silva
  • Vitória Daeny Medeiros do Nascimento
  • Sandy Yasmine Bezerra e Silva
  • Érika Simone Galvão Pinto

DOI:

https://doi.org/10.33517/rue2022v17n1a12

Palabras clave:

Población Rural, Mujeres, Perfil de Salud, Epidemiología, Salud Rural

Resumen

Las mujeres rurales tienen medios de vida y estructura familiar relacionados con el contexto en el que se insertan, lo que muchas veces favorece su vulnerabilidad. Este estudio tuvo como objetivo caracterizar el perfil sociodemográfico, laboral y epidemiológico de las mujeres rurales. Se trata de un estudio descriptivo con enfoque cuantitativo. Los datos fueron recolectados entre julio y noviembre de 2020 en una zona rural del municipio de Nazarezinho, Paraíba, Brasil. Participaron 87 mujeres rurales acompañadas de una unidad de estrategia de salud de la familia. El análisis se realizó mediante estadística descriptiva. Predominaron las mujeres rurales con pocos años de educación formal, con edad promedio económicamente activa, con vínculo matrimonial e hijos, con ingresos mensuales de hasta un salario mínimo, y que desempeñaban roles importantes en el trabajo rural, especialmente en actividades de siembra y cosecha. Casi la mitad de ellos declaró tener una enfermedad crónica, siendo la hipertensión arterial sistémica la más mencionada. Se concluye El perfil de la mujer rural indica vulnerabilidades sociales que deben ser atendidas mediante la implementación de políticas públicas con miras a promover su salud, mejorar su calidad de vida y garantizar los derechos fundamentales.

Biografía del autor/a

Bruno Neves da Silva

Mestre em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Enfermeiro da Prefeitura Municipal de Natal/RN. Brasil.

Vitoria Keller Gregório de Araújo

Acadêmica de Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal/RN. Brasil.

Ana Carolina Souza da Silva

Graduada em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal/RN. Brasil.

Vitória Daeny Medeiros do Nascimento

Graduada em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal/RN. Brasil.

Sandy Yasmine Bezerra e Silva

Mestre em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal/RN. Brasil.

Érika Simone Galvão Pinto

Doutora em Enfermagem. Docente do Departamento de Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal/RN. Brasil.

Citas

Ministério da Saúde (BR). Secretária de Gestão Estratégica e Participativa [Internet]. Política Nacional de Saúde Integral das Populações do Campo e da Floresta. Brasília: Ministério da Saúde; 2013. [consulta 20 de agosto del 2019]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_saude_populacoes_campo.pdf.

Liberato E. Modelos de Desenvolvimento da Mulher rural: O programa de auscultação da mulher rural em Angola. Livro de Atas do 1º Congresso da Associação Internacional de Ciências Sociais e Humanas em Língua Portuguesa. Lisboa: AI; 2015: 9168-9172.

Baronio PA. A construção do ser mulher na agricultura familiar: uma perspectiva logoterapêutica. Phenomenological studies. Revista de abordagem gestáltica. 2019; 24(1): 91-97.

Biroli F. Divisão Sexual do Trabalho e Democracia. Dados. Rev Crit Cienc Sociais. 2016; 59(3): 719-754.

Spanevello RM, Matte A, Boscardin M. Crédito rural na perspectiva das mulheres trabalhadoras rurais da agricultura familiar: uma análise do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF). Polis. 2016; 44: 1-18.

Sales CMV. Mulheres rurais: tecendo novas relações e reconhecendo direitos. Estudos Feministas. 2007; 15(2): 437-443.

Barbetta PA. Estatística aplicada às ciências sociais. 4a. ed. Florianópolis: UFSC; 2001.

Brust RS, Oliveira LPM, Silva ACS, Regazzi ICR, Aguiar GS, Knupp VMA. Perfil Epidemiológico de trabalhadores rurais no estado do Rio de Janeiro. Rev. Bras. Enferm. 2020; 72(1): 122-128.

Leite JF, Dimenstein M, Dantas CB, Silva EL, Macedo JPS, Sousa AP. Condições de vida, saúde mental e gênero em contextos rurais: um estudo a partir de assentamentos de reforma agrária no nordeste brasileiro. Av. Psicol. Latinoam. 2017; 35(2): 301-316.

Lima PJP, Oliveira HB. Aspectos de saúde e qualidade de vida em residentes rurais. Rev. Baiana de Saúde Pública. 2014; 38(4): 913-930.

Soares RAS, Moraes RM, Vianna RPT, Pessoa VM, Carneiro FF. O Brasil rural versus o Brasil Urbano. Tempus actas de saúde colet. 2015; 9(2): 221-235.

Maas NM, Mendoza-Saci RA, MeuccI RD, Cesar JA. Insegurança alimentar em famílias de área rural do extremo sul do Brasil. Ciênc, Saúde Coletiva. 2020; 25(7): 2605 – 2614.

Pedreira RBS, Andrade CB, Barreto VGA, Pinto Junior EP, Rocha SV. Autopercepção de saúde entre idosos residentes em áreas rurais. Rev. Kairós. 2016; 19(1): 103-119.

Maraschin MS, Souza EA, Caldeira S, Gouvêa LADN, Tonini NS. Perfil sociodemográfico e econômico de mulheres trabalhadoras rurais. Revista Nursing. 2019; 22(251): 2848-2853.

Camarano AA, Abramovay R. Êxodo rural, envelhecimento e masculinização no Brasil: panorama dos últimos 50 anos. IPEA: Rio de Janeiro; 1999.

Berquó E, Cavenaghi S. Fecundidade em declínio: breve nota sobre a redução no número médio de filhos por mulher no Brasil. Novos estud. CEBRAP. 2006; 74: 11-15.

Peters CW, Lange C, Lemões MAM, Hermes GB, Link CL, Carniere CM. Conhecimentos, atitudes e práticas em saúde do idoso da zona rural. Rev enferm UFPE. 2019; 13(5): 1465-1474.

Tonet MS, Garcia EL, Reuter EM, Pohl HH. Prazer e trabalho: estudo sobre mulheres trabalhadoras rurais. Sau. & Transf. Soc. 2016; 7(3): 84-95.

Santos JB, Bohn L, Almeida HJF. O papel da mulher na agricultura familiar de Concórdia (SC): o tempo de trabalho entre atividades produtivas e reprodutivas. Textos de Economia, 2020; 23(1):1-27.

Magnabosco P, Teraoka EC, Oliveira EM, Felipe EA, Freitas D, Marchi-Alvez LM. Análise comparativa da não adesão ao tratamento medicamentoso da hipertensão arterial sistêmica em população urbana e rural. Rev. Latino-am. Enfermagem. 2015; 23(1): 20-27.

Alves Júnior O. Prevalência de hipertensão arterial sistêmica em adultos da área urbana e rural e fatores de riscos associados. Dissertação [Mestrado em ciências aplicadas à saúde]. Brasil: Universidade Federal de Sergipe; 2020.

Arruda NM, Maia AG, Alvez LC. Desigualdade no acesso à saúde entre as áreas urbanas e rurais no Brasil: uma decomposição de fatores entre 1998 a 2008. Cad. Saúde Pública. 2018; 34(6): e00213816.

Malta DC, Stopa SR, Pereira CA, Szwarcwald CL, Oliveira M, Reis AC. Cobertura de Planos de Saúde na população brasileira, segundo a Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Ciênc. Saúde coletiva. 2017; 22(1): 179-190.

Dantas MNP, souza DLB, souza AMG, aiquoc KM, souza TA, barbosa IR. Fatores associados ao acesso precário aos serviços de saúde no Brasil. Rev. Bras. Epidemiol. 2021; 24: e210004.

Garnello L, Lima JG, Rocha ESC, Herkrath FJ. Acesso e cobertura da atenção primária à saúde para populações rurais e urbanas na região norte do Brasil. Saúde Debate. 2018; 42(1): 81-89.

Pessoa VM, Almeida MM, Carneiro FF. Como garantir o direito à saúde para as populações do campo, da floresta e das águas no Brasil? Saúde Debate. 2018; 42(1): 302-314.

Martins RC, Silva LCM, Hallal PC. Atividade Física na População Rural de Pelotas, RS: Prevalência e fatores associados. Rev. Saúde Pública. 2018, 52(1):1-9.

Sganzerla J, Cabral FB, Hildebrandt LM, Trezzi I. Noções e práticas de cuidado em saúde mental na perspectiva de mulheres camponesas. REUFSM. 2021; 11(e14):1-21.

Riquinho DL. A outra face dos determinantes sociais de saúde: subjetividades na construção do cotidiano individual e coletivo em uma comunidade rural. Dissertação [Mestrado em Enfermagem]. Brasil: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2009.

Yunes MAM. Psicologia positiva e resiliência: o foco no indivíduo e na família. Psicol. Estud. 2003; 8: 75-84.

Bortolotto CC, Mola CL,Tovo-Rodrigues L. Quality of life in adults from a rural area in Southern Brazil: a population-based study. Revista de Saúde Pública. 2018; 52(suppl 1): 1-11.

Publicado

2022-04-03

Cómo citar

1.
Silva BN da, Araújo VKG de, Silva ACS da, Nascimento VDM do, Silva SYB e, Pinto Érika SG. Caracterización del perfil de las mujeres rurales según los factores sociodemográficos, laborales y epidemiológicos . RUE [Internet]. 3 de abril de 2022 [citado 20 de mayo de 2022];17(1):e2022v17n1a12. Disponible en: https://rue.fenf.edu.uy/index.php/rue/article/view/347

Número

Sección

Investigación